Palavras-chave no Google: o guia completo
Trabalho de redator freelancer
Trabalho de redator freelancer: como encontrar as melhores oportunidades
03/03/2018
O que é uma pauta
O que é uma pauta e como construir seu texto a partir dela
14/03/2018

Palavras-chave no Google: conceito, onde encontrar e como usar

É das palavras-chave no Google que depende o sucesso de qualquer projeto de conteúdo.

Veja um blog, por exemplo.

Marcas e empresas, personalidades e influenciadores, todos o utilizam também para gerar tráfego orgânico.

É a difícil missão de ser encontrado e notado na web.

Só que o que faz um post ser elevado ao topo do Google passa muito pela palavra-chave.

Não apenas por ela, mas pela forma como o conteúdo capta a sua essência e é construído em torno dela.

Este é um artigo obrigatório para redatores e contratantes.

Mais do que compreender o conceito, você precisa saber por que usar bem a palavra-chave e colocá-la no lugar certo faz toda a diferença nos resultados.

Depois de concluir a leitura, você terá dado mais um importante passo para ocupar a posição de número 1 no tradicional mecanismo de busca.

Palavras-chave no Google

Palavras-chave no Google: o que é?

As palavras-chave no Google correspondem à forma como os usuários realizam as pesquisas nesse que é o principal buscador da internet.

Do inglês keyword, elas se referem ao termo exato digitado no navegador.

Assim, podem ser formadas por uma única palavra ou um conjunto delas.

Até mesmo uma frase inteira pode se encaixar no conceito.

Quer um exemplo?

A palavra-chave “como fazer declaração do Imposto de Renda?” foi uma das mais buscadas no ano passado, segundo divulgação do próprio Google.

A líder foi “Big Brother Brasil”.

Entre as curiosidades, podemos citar as seguintes:

  • Como fazer jejum intermitente?
  • O que é pangolim?
  • Como fazer spinner?
  • Por que o Brasil não está na Copa das Confederações?
  • Por que os furacões recebem nomes femininos?
  • O que é Sarahah?

Perceba por esses exemplos que as pessoas costumam literalmente perguntar ao buscador sobre as suas principais dúvidas de momento.

E elas assim o fazem a partir do uso de termos comuns.

São as palavras-chave no Google.

Para que servem as palavras-chave?

Para entender a importância das palavras-chave, antes, precisamos explicar outro conceito: o marketing de conteúdo.

É provável que você já tenha ouvido falar sobre ele.

Como o próprio nome indica, essa é uma estratégia que atrai a audiência a partir de conteúdo relevante e o utiliza para atingir os objetivos do marketing.

Seja para vender, ganhar autoridade ou construir uma imagem positiva em torno da marca, esse é um caminho quase obrigatório atualmente.

Entre as ações necessárias para isso, está a entrega de artigos de blog.

Por mais que as informações contidas nele sejam úteis e interessantes ao público-alvo, de nada adianta se o texto não for encontrado.

E isso acontece via acesso direto ao blog, a partir de investimentos em mídia paga ou por tráfego orgânico.

Esse último é aquele que vem praticamente de graça, quando um artigo é localizado no Google.

Tudo certo até aqui?

Então, vamos avançar.

O que acontece é que a imensa maioria dos usuários não vai além da primeira página do Google.

Por mais genérica que essa informação soe, não faltam pesquisas a atestar essa realidade.

É por isso que posicionar o seu artigo nela é uma obrigação, atingir o top 3 é recomendável, mas o desejado é ser o número 1.

Agora, vem a questão mais importante até então: como o seu artigo vai chegar a essa conquista?

Para isso, terá sempre que oferecer a melhor resposta a uma determinada pesquisa.

E ela é feita como?

Através de palavras-chave no Google, claro.

Conseguiu captar qual a sua função?

Elas servem para guiar o planejamento editorial de uma estratégia de marketing de conteúdo.

Não há como conduzir essa tarefa sem conhecer os termos mais pesquisados entre aqueles relacionados ao seu assunto.

E isso nos leva ao próximo tópico.

A estratégia por trás das palavras-chave no Google

Até aqui, você aprendeu o que são as palavras-chave no Google e para que elas servem.

Agora, é o momento de compreender o seu uso estratégico no marketing.

Toda empresa que deseja gerar tráfego orgânico tem um blog.

OK, isso você já sabe.

As pautas desse blog devem ser construídas a partir de palavras-chave.

Não é como em um jornal tradicional, onde a figura quase extinta do pauteiro determina o que as pessoas devem ler.

Na internet, é o público que escolhe os assuntos de sua preferência.

É ele que faz a pauta.

E isso ocorre justamente a partir das suas buscas no Google.

Ou seja, um blog deve ter seu calendário editorial construído de forma a atender aos termos mais pesquisados entre aqueles relacionados ao seu conteúdo.

Errar na palavra-chave é o mesmo que rasgar dinheiro em uma estratégia de marketing de conteúdo.

Você até pode abordar o assunto desejado por seu público, mas, se não construir o artigo em torno da palavra-chave certa, não terá o resultado desejado.

Exemplo prático

Vamos tornar o entendimento sobre isso mais claro a partir de um exemplo.

Para tanto, consideremos um blog de uma empresa que atua na área de sistemas de gestão.

Certamente, seu público identifica valor em artigos com dicas para cuidar melhor do dinheiro do negócio.

Então, o assunto rende uma pauta obrigatória, inclusive para reforçar o seu produto como uma solução à necessidade de melhorar a gestão financeira.

Veja o poder da estratégia para unir o útil ao agradável.

Mas, para dar certo, não pode errar na escolha da palavra-chave.

O que acha de “dinheiro da empresa”?

Ou, quem sabe, uma versão ampliada: “como cuidar do dinheiro da empresa”?

Dá até um bom título para o post, não é mesmo?

Só não vai gerar acesso orgânico algum, pois são termos com busca inexistente.

Em bom português: ninguém os utiliza para pesquisas no Google.

Considerando apenas o número de buscas mensais em média, seria muito mais inteligente usar “gestão financeira”, “controle financeiro”, “controle de caixa”, “planejamento financeiro empresarial”, entre outras.

Bastaria inserir um “como fazer” antes da palavra-chave para já ter um bom título e o direcionamento da pauta.

Mas como saber quais são as melhores palavras-chave no Google para seus artigos?

É o que vamos descobrir agora.

Como encontrar as melhores palavras-chave

Vamos falar de planejamento na produção de conteúdo para sites e blogs.

Até mesmo quem atua como redator freelancer deve se preocupar com isso.

Nunca se sabe quando um cliente vai solicitar que o profissional sugira termos sobre os quais escrever, não é mesmo?

Então, onde estão as melhores palavras-chave do Google?

Em primeiro lugar, saiba que você vai precisar realizar um estudo de palavras-chave.

Significa encontrar os termos mais buscados entre aqueles que guardam relação com o assunto do blog.

Há diferentes sites que realizam essa tarefa de maneira simples.

Você pode fazer isso de graça pelo Keyword Planner, que é a solução oferecida pelo próprio Google.

Apesar desse detalhe importante, não é a mais completa.

Outros sites, com o SEMRush, oferecem maior precisão para determinar o número de buscas de uma determinada keyword.

Não retorna uma informação exata, mas muito mais aproximada do que no Keyword Planner.

Por outro lado, é um sistema pago.

Pode ou não valer o investimento, dependendo da sua necessidade.

Além dos números de buscas médias mensais, ambas soluções apresentam sugestões, com palavras-chave relacionadas.

Também mostram tendências, o que permite identificar se um termo específico deve ter sua procura aumentada ou diminuída.

Para isso, o Google Trends é uma ferramenta interessante – e complementar.

Construindo um calendário editorial

É muito mais produtivo se você trabalhar de forma organizada.

Por isso, a recomendação é que construa um calendário editorial simultaneamente ao seu estudo de palavras-chave no Google.

Pode ser em uma planilha tradicional, como a disponibilizada pelo Google Drive ou no Excel.

Identificados todos os termos relacionados ao blog, coloque-os na coluna da esquerda dessa planilha.

À direita, insira os respectivos números de buscas de cada um.

Coloque também informações sobre a concorrência da keyword em uma terceira coluna.

Quando mais alta ela for, mais difícil será se posicionar bem no Google (e mais alto será o seu investimento em mídia paga, se for o caso).

Há outros dados a acrescentar, que são importantes no seu planejamento.

Contudo, para fins de definição de pautas, o que já capturou até aqui é suficiente.

Se você ordenar a visualização pela segunda coluna, que traz o total de buscas por palavra-chave, vai identificar facilmente quais devem ser as suas prioridades.

Mas fique atento.

Restringir sua produção de conteúdo aos termos de maior busca não é a estratégia perfeita.

Para entender a razão, você precisa conhecer os conceitos de head, short e long tail.

Head e short tails

São as palavras-chave mais curtas.

Head tail possui uma só palavra.

Exemplo: “gestão”.

Short tail tem entre uma e três palavras.

Exemplo: “gestão financeira”.

O ponto positivo é que são os termos com o maior número de buscas.

O negativo é que são muito genéricos, dificultando ofertar ao público a real solução ao problema que motivou sua pesquisa.

Long tail

São as palavras-chave cauda longa, compostas por quatro ou mais termos.

Exemplo: “como fazer a gestão financeira de uma empresa”.

O ponto positivo é que permitem um direcionamento quase cirúrgico à pauta.

Assim, impactam um público muito mais segmentado, o que é ótimo para os objetivos da estratégia de marketing.

O ponto negativo é que possuem um menor número de buscas.

Que palavras-chave priorizar no calendário editorial?

Um bom calendário editorial é formado por todas elas: head, short e long tails.

Por outro lado, essa decisão depende do próprio momento do negócio.

Blogs novos, por exemplo, costumam se beneficiar mais com o uso de cauda longa.

Afinal, ainda não possuem a autoridade e relevância na web suficientes para concorrer com sites mais antigos e com um grande acervo de palavras-chave já publicadas.

Além disso, conteúdos construídos em torno de uma head tail precisam ser mais densos.

Ou seja, mais completos.

Nesses casos, chegar ao topo do Google não depende apenas de entregar o melhor conteúdo, mas também o maior.

Sobre o tamanho ideal, inclusive, vale ler este ótimo artigo de Neil Patel.

Para gestores de blog, ter essa compreensão pode ser decisivo para antecipar os primeiros resultados positivos da estratégia.

Já para o redator online, entender esse fato é importante para que não questione as escolhas do cliente quanto aos termos a utilizar nos artigos.

Como usar as palavras-chave ao longo do texto

Agora, vamos conversar sobre SEO.

Search Engine Optimization é o nome em inglês para a estratégia de otimização para os mecanismos de busca.

Consiste em técnicas aplicadas ao texto e ao desenvolvimento de um site ou blog para favorecer o seu melhor posicionamento entre as sugestões apresentadas pelo Google a cada pesquisa.

E a relação entre SEO e palavra-chave é total, muito embora os critérios de classificação de um bom artigo tenham mudado bastante ao longo dos anos.

A palavra-chave sempre foi o carro chefe de uma estratégia de conteúdo focado em SEO.

Em um passado não muito distante, isso se materializava através da repetição da keyword no texto.

A regra era básica: quanto mais, melhor.

O problema é que isso gerou uma série de textos artificiais e confusos.

Imagine ter que repetir incansavelmente uma long tail no artigo, seu título e subtítulos?

Atualmente, o compromisso é o mesmo, mas com uma densidade bem menor.

A ordem agora não é numérica, mas repetir o termo de forma orgânica.

Desse modo, a regra mudou para: quanto mais integradas ao conteúdo, melhor.

O principal ponto de atenção no momento é colocar a palavra-chave nos locais em que ela precisa estar.

Vamos conhecê-los?

1. Título do artigo

A presença da palavra-chave é obrigatória no título.

E com duas regras básicas:

  1. Em sua forma integral, exatamente como proposta
  2. O mais próximo possível do início do título.

2. Na introdução do artigo

O primeiro parágrafo deve trazer a palavra-chave integral.

E o ideal é que seja logo na primeira frase, mas sempre com uma construção atrativa ao leitor.

3. Em subtítulos

Os subtítulos do artigo são chamados de H2, em referência à linguagem HTML do post.

Suas subdivisões são o H3.

Então, o primeiro H2 deve conter a palavra-chave integral.

Assim como o título, mas não igual a ele, é importante que a keyword esteja posicionada o mais próximo do seu início.

Se houver outros subtítulos e demais subdivisões, é interessante usar novamente a palavra-chave, mas também variações dela.

Ou seja, a keyword não integral.

4. Ao longo do texto

Não há mais uma regra de densidade quanto ao uso da palavra-chave.

Ainda assim, é importante que ela não seja esquecida no decorrer do texto.

O que não deve acontecer é a sua repetição forçada.

Para tirar a dúvida, experimente ler o texto em voz alta.

Se o trecho onde a palavra-chave aparece ficou estranho, melhor cortar.

Priorize inserções orgânicas da keyword, que ocorram ao natural.

5. Nos campos SEO

Quando um artigo é programado para publicação, em sistemas como o WordPress, é preciso sinalizar quais serão o título e o texto que vão aparecer na pesquisa do Google.

Respectivamente, tais campos se chamam Meta Title (ou SEO Title) e Meta Description.

Ambos devem trazer a palavra-chave.

O primeiro por exigência.

O segundo como um reforço ao Google e ao usuário.

Por que seguir as regras de uso de palavras-chave no Google?

O que você acabou de ver são regras básicas quanto ao uso de palavras-chave no Google.

É algo que faz toda a diferença para posicionar seu texto entre aqueles eleitos pelo buscador como os melhores.

Mas por que isso?

A presença da keyword em cada um dos locais citados funciona como uma espécie de apontamento ao próprio Google.

Todo mecanismo de busca trabalha com robôs virtuais, que varrem a internet à procura de conteúdo novo (incluindo atualizações em um post já publicado).

Ao encontrar a palavra-chave nos campos mencionados, eles identificam que o artigo traz uma solução para aquela busca.

Ou seja, merece ser apresentado como sugestão ao usuário quando ele digita a keyword em sua pesquisa.

Mas essa é apenas uma parte do trabalho.

O que vai determinar se o artigo estará ou não na primeira página é se o uso das palavras-chave foi bem feito, é claro, mas principalmente a qualidade do conteúdo.

Alcançar o topo do Google é como receber um selo de qualidade.

Significa ser reconhecido como o artigo que ofereceu a melhor resposta a uma busca específica do usuário.

É uma singela, mas valiosa honraria.

Dedique-se às palavras-chave no Google

Neste artigo, apresentamos um guia sobre as palavras-chave no Google.

Você conheceu o conceito e sua aplicação na prática.

Agora, sabe que esse é um conhecimento decisivo não apenas para um único artigo, mas para qualquer projeto de conteúdo.

Como pôde ver, trabalhar a keyword durante o texto não é nenhum bicho de sete cabeças.

E isso é o básico a aprender sobre SEO, cujo domínio é a chave para a sua estratégia digital.

Quem trabalha como redator web precisa saber aplicar o SEO em seus textos para conseguir clientes e ganhar dinheiro escrevendo.

Já marcas e empresas necessitam de um blog com artigos devidamente otimizados.

Só assim elas são encontradas no Google, têm seu conteúdo reconhecido como relevante, geram tráfego, leads e possíveis clientes.

Seja qual for a sua necessidade, conte com o Redator Hacker.

Nosso curso de SEO voltado a redatores é único no Brasil.

De forma prática e didática, o freelancer aprende como produzir conteúdo que converte e alcança o topo do Google.

Já quem precisa de bons textos encontra na nossa agência a solução perfeita.

Temos um método exclusivo de produção de conteúdo, o time mais qualificado de redatores do país e uma experiência superior a 40 mil artigos publicados em blogs sobre os mais variados assuntos.

É tudo o que você precisa para colocar seu projeto de conteúdo em destaque.

Fale com a gente. Será um prazer ajudá-lo em seus objetivos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *